SOS INFORMATICA
VACINA

Com Coronavac distribuída pelo SUS, Butantan cancela acordo com 184 municípios

Campo Grande já busca outras alternativas para garantir imunização da população contra o coronavírus

15/01/2021 07h58Atualizado há 1 mês
Por: Redação
Fonte: Mídiamax
Instituto Butantan produz a CoronaVac no Brasil. (Imagem: Reprodução).
Instituto Butantan produz a CoronaVac no Brasil. (Imagem: Reprodução).

Na próxima segunda-feira (18), o Instituto Butantan deve cancelar oficialmente todos os acordos firmados com 184 municípios para compra da Coronavac. O imunizante será distribuído em território nacional pelo  (Sistema Único de Saúde).

O acordo foi firmado entre o Butantan e o Ministério da Saúde, por meio do PNI (Programa Nacional de Imunizações). Assim, o presidente do instituto, Dimas Covas, afirmou que todas doses da vacina serão entregues ao Ministério.

Com isso, os municípios que procuraram diretamente o Instituto, para firmar acordo, serão desligados da distribuição. Em entrevista à CNN, Covas explicou que as 184 cidades são de estados fora de São Paulo. As gestões municipais procuravam garantir um plano de vacinação, caso o do  não avançasse.

Campo Grande na corrida da imunização

Campo Grande demonstrou interesse junto ao Butantan, para aquisição da Coronavac. Entretanto, o cancelamento do acordo não deve interferir na compra de imunizantes para os campo-grandenses.

A Prefeitura Municipal apresentou projeto de lei que autoriza compra de vacinas que não estão nos planos de vacinação do Ministério da Saúde. Serão reservados R$ 20 milhões para aquisição dos imunizantes.

O texto proposto permite que a prefeitura compre doses não fornecidas pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações). Ainda assim, estas vacinas precisam ter eficácia comprovada e aprovação da  (Agência Nacional de ).

Então,  e Oxford/AstraZeneca ficam de fora das possibilidades de compra do município. Assim, imunizantes como os produzidos pela Jansen, Moderna e União Química/Sputinik V, entre outros, poderiam ser comprados pelo município.

A iniciativa leva em consideração a demora do governo federal em implantar um plano sólido de vacinação. Segundo mensagem de Marquinhos à Câmara, o projeto de lei pretende “garantir que os munícipes de Campo Grande tenham a imunização contra a Covid-19, […] até que o Plano Nacional de Imunização seja implementado e tenha o fluxo necessário”.

Nesta quinta-feira (14), a Prefeitura afirmou que possui quantidade de insumos, como seringas, suficientes para dar início na vacinação contra o coronavírus.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias