SOS INFORMATICA
Internacional

Muçulmano absolvido de crime por ter fumado maconha revolta França

Segundo a Justiça, Kobili Traoré estava em "surto" por causa da droga quando espancou e matou sua vizinha judia de 65 anos

20/04/2021 21h00
Por: Redação
Fonte: R7
Sarah Harimi foi assassinada em 2017 por Kobili Traoré - (Foto: Arquivo pessoal)
Sarah Harimi foi assassinada em 2017 por Kobili Traoré - (Foto: Arquivo pessoal)

A comunidade judaica na França protestou após uma decisão judicial que impediu que um homem muçulmano que matou sua vizinha judia em 2017, em Paris, fosse a julgamento porque estaria em um estado de delírio causado por um grande consumo de maconha. A medida foi contestada até mesmo pelo presidente Emmanuel Macron, que pediu uma mudança na lei.

Leia também: Brasileira é uma das vítimas de ataque em Nice, na França

Nesta semana, a Suprema Corte do país confirmou a decisão de uma instância inferior que afirma que o imigrante malinês Kobili Traoré não poderia ser julgado pelo assassinato da médica judia Sarah Halimi. O tribunal, que não julga o mérito da ação em si, apenas a aplicação da lei, ratificou que ele não seria legalmente responsável por suas ações por conta do uso da droga, de acordo com o que está posto na legislação francesa.

A decisão foi apoiada em um laudo que aponta que ele estaria em um "surto" e em "estado de delírio". Traoré, que espancou Sarah violentamente durante pelo menos 20 minutos e então a atirou pela janela do terceiro andar, está sob custódia do Estado desde que confessou o crime e segue internado em um hospital psiquiátrico. 

"Não posso comentar uma decisão jurídica, mas quero expressar à família da vítima e todos os nossos cidadãos judeus que esperaram por um julgamento, meu apoio e a determinação do país em protegê-los. Nosso país não julga cidadãos doentes, nós os tratamos. Mas decidir usar drogas e 'ficar louco' não deveria, na minha opinião, tirar sua responsabilidade criminal. Gostaria que o ministro da Justiça {Eric Dupond-Moretti) apresentasse uma mudança na lei assim que for possível", disse o presidente ao jornal Le Figaro.

Francis Kalifat, presidente do Conselho de Representantes da Instituições Judaicas na França, lamentou o desfecho. "De agora em diante, neste país, será possível torturar e matar judeus com completa impunidade", afirmou.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias