SOS INFORMATICA
MARACAJU

Polícia arromba porta para salvar mulher mantida refém pelo ex-marido

Homem a sequestrou e ameaçava matá-la com uma faca

24/04/2022 07h27Atualizado há 4 semanas
Por: Michael Franco
Faca utilizada pelo autor (Foto: Polícia Militar)
Faca utilizada pelo autor (Foto: Polícia Militar)

Homem de 35 anos foi preso em flagrante na manhã deste sábado  (23) por ameaça, sequestro, tentativa de homicídio e cárcere privado contra a ex-mulher em Maracaju.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, a polícia foi acionada e ao chegar no local foi recebida pela mãe da vítima. Ela contou aos agentes que a filha estava sendo feita refém pelo ex-marido. A porta estava fechada, mas havia uma janela que permitia visualização.

Os policiais avistaram a vítima sentada ao lado do homem. Foi dada ordem para que ele abrisse a porta, mas não obedeceu. Então a polícia tentou abrir a porta à força, momento em que a vítima levantou e se afastou. O ex tirou uma faca da cintura e foi em direção à mulher.

Com um chute a porta foi arrombada pelos policiais, no entanto o homem conseguiu agarrar a mulher e colocar a faca em seu pescoço.

Os agentes tentaram minimizar a situação verbalmente, sem sucesso. Segundo o relato, o local onde o crime ocorria era pequeno, fator que fez o autor tropeçar e se afastar da vítima. Um dos policiais abordou o homem que ainda tentou lutar e resistir, mas foi imobilizado e algemado.

Liberta, a mulher contou as policiais que foi abordada pelo ex quando estacionava a motocicleta próximo ao trabalho. Ele teria subido na garupa e, armado com a faca, a mandou retornar para casa.

Ela disse ainda que já havia sido agredida pelo homem, mas nunca chegou a denunciar. Os dois viveram juntos por 6 anos e estavam separados há 15 dias.  

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários