SOS INFORMATICA
NOVA ALVORADA DO SUL

Para sindicato dos servidores, visita de vereadora a unidade de saúde foi "ação política"

Instituição protocolou ofício em que pede providências da Câmara Municipal

14/04/2022 08h12Atualizado há 1 mês
Por: Michael Franco

O presidente do Sindicato de Funcionários e Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Nova Alvorada do Sul (Sindnas), Paulo Cezar dos Santos Ferreira, protocolou ofício na Câmara da cidade, nesta quarta-feira (13), requerendo providências da Casa de Leis em relação à denúncia de abuso de poder e quebra de decoro envolvendo a vereadora Andrea Fim (PP).

Na ocasião ela teria humilhado uma das servidoras da unidade de saúde, fato que gerou pedido de cassação do mandato legislativo.

Rio Brilhante News teve acesso ao documento (veja na íntegra ao final da reportagem). No texto a instituição chama de "ação política deliberada", a visita que a vereadora fez à Casa de Fisioterapia Tia Cláudia, no dia 7 de abril, com o pretexto de fiscalizar a qualidade do serviço público prestado no local. Porém, de acordo com o sindicato, a ação foi "desastrosa com grandes veios de desvio de conduta".

A declaração assinada pelo presidente do Sindnas também destaca que após ocorrido, a parlamentar usou as redes sociais para divulgar a visita se limitando apenas a um caráter da gestão: a folha de ponto da servidora Thalita C. M., se esquecendo de outros aspectos importantes.

"Por exemplo, não existe bebedouro na unidade para os pacientes, faltam equipamentos adequados, a equipe de trabalho está a menor e, por esta razão, a agenda de visitas está sobrecarregada, com necessidade de sacrifício de todos os servidores".

Nossa equipe tentou falar com o prefeito de Nova Alvorada do Sul, José Paulo Paleari (PP), sobre o ocorrido envolvendo uma funcionária pública de seu escopo, mas ele não respondeu nossas tentativas de contatos.

O presidente da Casa de Leis, Renilson César (PP) está em compromissos fora da cidade e prometeu dar andamento no caso na próxima semana. "Segunda-feira retorno de viagem e vamos analisar o conteúdo. Verificar dentro do que nosso regulamento interno direciona e tomar a decisão se a pauta para deve ir para o plenário onde é decidido se o processo na Comissão de Ética será aberto ou não".

A vereadora Andrea Fim explicou que os esclarecimentos estão sendo prestados por meio de sua equipe de advogados, com apresentação de provas e testemunhas do fato. A parlamentar disse também que ações são tomadas "para que as pessoas e os veículos de informação que estão disseminando essas inverdades sejam responsabilizados dentro da lei".

Na última sessão da Câmara Municipal de Nova Alvorada do Sul, ela comentou brevemente o caso. "É obrigação do vereador fazer essas visitas para que a gente veja se o andamento do poder público está sendo bem realizado. É isso que vou continuar fazendo, é meu trabalho".

Relembre o caso

Foi protocolado, nesta terça-feira (12), na Câmara Municipal de Nova Alvorada do Sul, um pedido para cassar o mandato legislativo de Andrea Fim (Dem) em decorrência da quebra de decoro ao abusar do poder como parlamentar. Na ação, a advogada Fernanda Viegas representa a servido pública T. C. M. que teria sido humilhada durante uma visita de fiscalização da vereadora na Casa de Fisioterapia Tia Cláudia, na última semana.

Segundo boletim de ocorrência registrado pela vítima, a vereadora adentrou local restrito a fisioterapeutas, servidores e pacientes, além de tirar fotos sem autorização de prontuários e controle de atendimentos. A profissional de Saúde relatou também que a parlamentar a ofendeu dizendo que ela atrapalhava o serviço público por atender menos pacientes que um colega e fazia tudo isso com "tom de deboche e agressivo".

A vereadora ainda teria entrado na sala de atendimento da fisioterapeuta e instigado o paciente a criticar o serviço realizado. A vítima conta que a atitude causou enorme constrangimento para ele, para pacientem demais servidores e outras pessoas que aguardavam o atendimento.

A advogada Fernanda Viegas contou ao Rio Brilhante News que aguarda a Câmara Municipal "instaurar o procedimento legal para apurar os fatos, já que é o que determina a Lei Orgânica do Município e o presidente não pode se esquivar do cumprimento da Lei sob pena de responsabilização". Ela completou alegando que a atitude da vereadora afrontou o comportamento esperado de um parlamentar com decoro.

“Existem inúmeros recursos legais para desempenhar seu poder de fiscalização. Todavia, diferente do que a legislação determina, a vereadora Andrea, com abuso de suas prerrogativas, se utiliza de meios conhecidos como carteirada para coagir servidores a prestar informações imediatas”.

Veja o ofício do Sindnas na íntegra:

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários